Treino personalizado

Corrida

BTT

Natação

26 Vs. 29

A guerra entre as 26 e as 29 está mais acesa do que nunca. Para apimentar mais a mesma, as 27,5 estão a ganhar uma grande preponderância no mercado. Agora o que escolher? 26? 27,5? Ou 29? Antes de fundamentar uma opinião, queremos deixar claro que de 26 a 29 não há melhores nem piores. A escolha de uma bicicleta não pode ser só baseada no tamanho da sua roda.

As diferenças da roda, são significativas? Os aspectos de inercia, superfície de contacto, angulo de ataque, torção lateral e peso são os mais significativos.

No aspecto inercia o tamanho da roda é de facto fácil de perceber que um raio maior na circunferência permite uma maior inercia. Por pedalada em condições idênticas uma roda 29’ roda mais vezes que uma 26’, é um facto comprovado pela física.

Superfície de contacto, se comparar-mos um pneu de medida igual e pressão igual nos dois tamanhos de roda a maior consegue ter uma superfície de contacto significativamente maior, que traz uma tração maior pelo aumento da superfície.

Angulo de ataque, desta vez a diferença da 29’ para a 26’ é para o menor, O que quer dizer? Quer dizer que o angulo entre a superfície de contacto e a roda é menor, traduzindo-se numa menor força de reação (força contraria ao deslocamento) transmitida pelo impacto com objetos e depressões de superfície (buracos) .

Torção Lateral, todos os materiais tem um grau de torção ou deformação quando sujeitos a uma força e que neste caso a roda é um componente da bicicleta extremamente vulnerável. Sendo o raio da circunferência maior, leva que a roda fique sujeita a maior torção comparada com a 26’. No que se traduz? Traduz-se numa perna de energia/força por pedalada e consequente diminuição da velocidade.

Peso, este ultimo talvez o mais preponderante, seguindo a lógica de maior mais pesado, as 29’ saem claramente prejudicadas. Se as 29’ tem uma resistência menor ao rolamento em comparação com as 26’, dado quase comprovado, o peso pode diminuir ou mesmo anular este beneficio. Vejamos: Em terreno plano se aumentarmos o peso da bicicleta, onde a preponderância da resistência aerodinâmica é maior em relação a resistência de rolamento e efeito da gravidade, a diferença pode não ser significativo. Em terreno inclinado, onde a preponderância da gravidade é largamente superior em relação a resistência aerodinâmica e de rolamento, o aumento do peso actua directamente na gravidade fazendo com que haja maior necessidade energética para manter a velocidade.

Muita informação disponível e lançada pelas marcas é proveniente de um senso comum e de um experiência empírica passada de ciclista para ciclista, no entanto recentemente encontramos duas publicações que revelam algum rigor e que podem realmente mostrar confiança nos seus resultados.

O primeiro foi feito pela marca de pneus schwalbe onde juntamente com a Universidade de Colonia, Alemanha, colocaram 50 atletas no qual não disseram que tipo de bicicleta/roda iriam usar. Assim numa subida a 20kmh a roda 26’ precisou de 214,3 watts para manter a velocidade e a 29’ 206,4. Menos 7,9 watts cerca de 4% para um pressão de 21,7 psi. Em rodas tubeless com pressões entre os 24 e 30 psi a diferença fica pelos 3%.

O segundo estudo foi realizado pelo Instituto Federal do Desporto Suiço, (Swiss Federal Institute of Sport, SFISM), onde colocaram 11 atletas num circuito de XC e registaram duas voltas usando a bicicleta/roda 29’ e mais duas voltas com 26’. Os resultados mostraram que as 29’ foram mais rápidas (302s +/- 25s) e as 26’ (309s +/- 28s).

Conclusões, as diferenças são realmente significativas, mas, as escolhas de rodas, quadros e componentes podem fazer ou desfazer a diferença entre os vários tipos de roda. Na nossa perspectiva as diferenças fazem-se em percentagens abaixo dos 5% (valor que a percepção humana pouco consegue notar) e que basta modificar algo e a diferença desvanece, assim, mostramos que a 29’ trás beneficio mas terá que ter em conta a qualidade da roda, do pneu, do quadro. Em relação há 27,5’ se a diferença entre a 26’ e a 29’ não é assim tão grande, então se optarmos pelo meio ainda menor será essa diferença. Por fim, escolher uma bicicleta de roda 29’ com um quadro bom, um par de rodas de qualidade e um conjunto leve pode ser sim uma mais valia e aproveitar o beneficio de uma roda maior.

Links de apoio ao artigo:

https://www.youtube.com/watch?v=pUxrpvg1vqQ

http://bicyclingaustralia.com.au/2012/wheel-wars

http://www.ecss.de/asp/2012_Bruges/Abstract_Display.asp?MyAbstractID=627

Contacto

NCTSTraining, de Nelson José Carvalho

geral@nctstraining.com

+351 (96) 5458224
+351 (245) 997229

Morada: Rua Passo da Metade nº 5
7430-153 Crato - Portalegre